Crioclastos na Fórnea? – Parque Natural das Serras d’ Aire e Candeeiros

Sílvia, A.; Cordeiro, A.; Rodrigues, F.; Virgílio, R.

Palavras-chave: Modelado cársico, crioclastos; geomorfologias

O Património Geomorfológico apresenta uma importância crescente para o desenvolvimento sustentável. O Instituto Educativo do Juncal faz parte do concelho de Porto de Mós que se encontra inserido no Parque Natural das Serras d’ Aire e Candeeiros, uma área protegida de elevado interesse geológico, biológico e paisagístico.

O objectivo do trabalho é estudar a influência do frio Quaternário na Geomorfologia das Serras d’ Aire e Candeeiros. A crioclastia resulta de meteorização física causada pelas baixas temperaturas. Como resultado dessa meteorização, podem formar-se depósitos de detritos angulosos, os crioclastos. Pelo facto de ter ocorrido uma periglaciação seguida de um arrefecimento brutal, criaram-se condições favoráveis à formação de crioclastos. O frio intenso e as variações de volume dos componentes do calcário levaram à formação de detritos angulosos que se acumularam na vertente sul da Fórnea (figura 1 a 2).


Figura 1 - Pormenor da carta geológica da região em estudo. O círculo corresponde à localização geográfica da Fórnea e a seta ao local onde se encontram os depósitos de crioclastos.

Figura 1 – Pormenor da carta geológica da região em estudo. O círculo corresponde à localização geográfica da Fórnea e a seta ao local onde se encontram os depósitos de crioclastos.

Figura 2 – Identificação dos depósitos de crioclastos.

Figura 2 – Identificação dos depósitos de crioclastos.

A glaciação ocorreu sucessiva e periodicamente no Quaternário. Nesta Era ocorreu um período de modelagem de relevo, com sedimentação predominantemente mecânica não consolidada (figura 3 a 4). A acção do frio desta Era não se limitou à acumulação de gelo nas vertentes abrigadas, sendo muito mais evidentes os vestígios de fenómenos periglaciares. A fisionomia actual da área afectada por toda esta dinâmica periglaciar revela que ocorreram, essencialmente, processos de crioclastia e gelifracção. A gelifracção foi o processo mais determinante na génese das cascalheiras portuguesas.

Figura 3 - Pormenor da forma angulosa dos crioclastos e da matriz que passou a aglutiná-los.

Figura 3 – Pormenor da forma angulosa dos crioclastos e da matriz que passou a aglutiná-los.

Os crioclastos da zona em estudo resultaram de fenómenos de periglaciação, no período Quaternário, o que originaram os depósitos de detritos angulosos que se podem observar na vertente sul da Fórnea. As principais características do modelado cársico em estudo, resultaram da acção de diferentes factores que o condicionaram (clima, litologia e estrutura geológica) e, de um modo particular, dos fenómenos climáticos quaternários. Assim, detectaram-se vestígios da acção periglaciar e balizaram-se cronologicamente os depósitos de crioclastos da zona da Fórnea, que se originaram na fase fria do período Quaternário, bem como se consideraram os aspectos geomorfológicos relacionados com a sua génese.

Figura 4 - Detalhe da aglomeração crioclástica.

Figura 4 – Detalhe da aglomeração crioclástica.

Cryoclasts in Fórnea? – Natural Park of Serras d’Aire e Candeeiros

Keyword: Cryoclasts; Carsic modelation; geomorphologies

The geomorphologic patrimony presents a crescent importancy for sustainable development. The Educational Institute of Juncal belongs Porto de Mós’ municipality that is insert in Nartural Park of Serras d’ Aire e Candeeiros, a protected area of high geologic, biologic and landscape interest.

The goal of the labour is study the influence of Quartenary’s cold on Geomorphology of Serras d’ Aire e Candeeiros. The cryoclastia results from physical desintegration caused by low temperatures. As result of that desintegration, deposits of angular detritus can be formed, cryoclasts. The fact that occured a periglaciation followed by a brutal cooling create great conditions for the formation of cryoclasts. The intense cold and the volume variations of the limestone components lead to the formation of angular detritus that accumulate on south slope of Fórnea (figures 1 and 2).

The glaciation occur sucessive and periodic on Quaternary. In this Era occur a period of terrain modelling, with predominantly non-consilidate mecanical sedimentation (figures 3 and 4). The cold during this Era didn’t just accumulate in well-covered hills, being much more evident the periglaciar dynamics. The actual appearance of the affected area by all this periglaciar dynamics revels that essentially occurs cryoclastia and icefraction processes. The icefractiuon was the main process to form the portuguese cobblestone.

The cryoclasts of the studing zone result of periglaciation phenomenons at Quaternary period, that origin the angular detritus deposits that can be observed on Fórnea’s South hill. The main characteristics of the carsic modelation in study result from the action of different factors like clima, litology and geologic struture, in particulary the quaternary climatic phenomenons. So, vestiges of the periglaciar action were found, and chronologically marked the cryoclasts deposits of the area, that were form in the cold phase of Quaternary period. As well, the geomorphologic aspects related with is formation.

Figure 1-Detail of the geologic cart of the zone in study. The circle marks to geographic location of Fórnea and the arrow marks the place where the cryoclasts were found.
Figure 2-Identification of cryoclasts deposits.
Figure 3-Detail of the angular shape of cryoclasts and matrix that stick them together.
Figure 4-Detail of cryoclast agluitination.

Bibliografia/Bibliography:
Cunha, L. et al. (2006) “Contributo da sequência cultural pleistocénico-holocénica para a compreensão da génese e evolução do canhão flúvio-cársico do Vale das Buracas. Publicações da Associação Portuguesa de Geomorfólogos, Vol. 3, APGeom, pp.4-7. Disponível em http://www.uc.pt/cegc/pdfs/buracas.pdf em 3/02/07
Durán, J. J. & J. L. Martínez, (1998), “El karst del Torcal de Antequera”. Karst en Andalucía. Instituto Tecnológico Geominero de España. Madrid. pp. 153-164 disponível em:
http://aguas.igme.es/igme/publica/libro103/pdf/lib103/capiII_05.pdf em 2/02/2007
Ferreira, A. B., (2000), “Considerações acerca do arrefecimento Pleistocénico em Portugal”. Finisterra, XXXV, 70, pp. 89-101.
Pereira, P. & Gonçalves, A. (2000). “Morfogénese glaciária e periglaciária na Serra da Cabreira: levantamento de campo de formas e depósitos”, disponível em http://www.geografia.uminho.pt/Eventos/III-jornadas/paulo-bento.doc
em 2/2/07.
Vidal, J.R. Alvarez, Caceres, L.M., Aguirre, A. M. & Alcaraz, J. M., (1999), “Morfogenesis Y fases de Karstificacion cuaternarias en la Sierra del Endrina (Grazalema, Cadiz)”. Cuaternario y Geomorfología, 13 (1-2), pág. 7-17.
Vieira, A & Almendra, R. “Vestígios de glaciação da Serra da Cabreira – Cartografia geomorfológica de pormenor com recurso a tecnologias de geoprocessamento”; disponível em: http://www.eventos.uevora.pt/cig/programa.htm
http://www.icn.pt/psrn2000/caracterizacao_valores_naturais/habitats/8130.pdf, disponível em 15/03/2007.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: