Baía de S. Martinho do Porto – da Geo à Biodiversidade

Malhado, A. ; Augusto, C.S.; Comendinha, S.A.T.; Leal, V.M.; Mateus, J.R.L.

Palavras-chave: Geologia, Biodiversidade, Algas, S. Martinho do Porto, Algário.

O Instituto Educativo do Juncal faz parte do distrito de Leiria, tal como a Baía de São Martinho do Porto, formação geológica que alberga uma grande biodiversidade O trabalho desenvolvido, integrado num Microprojecto Ciência Viva, envolveu uma pesquisa bibliográfica sobre a importância que a extracção das algas tem tido na economia local. Posteriormente, realizou-se uma saída de campo para recolha e identificação de algas, com o objectivo de elaborar um algário, integrando dados sobre a diversidade, conservação e ecologia das espécies recolhidas.

As características geológicas da Baía de S. Martinho do Porto têm influenciado a deslocação de massas de algas da costa rochosa para a região da Baía. As toneladas de algas recolhidas têm como principal destino o fabrico de medicamentos e a extracção de agar-agar, utilizado na indústria alimentar .

Na saída de campo foram recolhidas amostras de todas as diferentes espécies de algas encontradas na baía e na costa rochosa (fig. 1) de S. Martinho do Porto. Em laboratório foi efectuada a triagem das algas (fig. 2), a preparação do algário (fig. 3) e a conservação de espécimes em álcool a 70º. As espécies de algas foram devidamente identificadas e catalogadas, com informação sobre cada uma e sobre o local onde foram colhidas. Para a elaboração do algário foi utilizado papel vegetal onde foram montadas as diferentes espécies de algas (fig. 3), as quais foram colocadas entre papel de jornal, tendo sido devidamente prensadas. O papel foi mudado de dois em dois dias até que as algas estivessem secas por completo. As espécies identificadas pertencem à Classe das algas vermelhas (Rhodophyceae), castanhas (Phaeophyceae) e verdes (Chlorophyceae), conforme se encontra representado na tabela I.

O algário (fig.4) constitui, assim, um acervo para futura utilização como material didáctico nas aulas de Ciências da Natureza/ Naturais e de Biologia e Geologia.

O trabalho desenvolvido permitiu aprofundar o conhecimento sobre a diversidade de algas e as características do seu habitat. A actividade de apanha de algas marinhas em populações selvagens, no patamar médio-litoral, poderá desencadear um risco de sobre-colheita e consequente perda económica, para além da redução ou até destruição da biodiversidade algal, com bastantes implicações ao nível das cadeias alimentares. As algas de S. Martinho do Porto são cientificamente tidas como as melhores do país e têm sido exportadas para Espanha, constituindo um recurso para a população que as recolhe.

A actividade desenvolvida permitiu concluir que na Baía de São Martinho do Porto existe uma grande variedade de algas e que a época mais propícia à sua apanha é entre Julho e Novembro. Por consequência, devido a este facto e à acentuada turbulência marítima aquando da saída de campo, a recolha destes organismos foi dificultada, o que pode ter condicionado a recolha de algumas espécies.

Bibliografia

Campbeel, A. (2006). Fauna e Flora do Litoral de Portugal e da Europa. FAPAS. 24, 38, 42, 48, 52, 60 pp.
Pereira, L.; Critchley, A.T.; Amado, A.M. & Ribeiro-Claro, P.J.A. (2007). Análise Comparativa dos Ficobilóides produzidos por algas Carragenófitas usadas industrialmente e algas Carragenófitas portuguesas. Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, disponível em: http://br.monografias.com/trabalhos915/ficocoloides-algas-carragenofitas/ficocoloides-algas-carragenofitas.pdf, em 11 de Janeiro de 2010.
http://saomartinhodoporto.blogspot.com/2008/02/alga-de-s-martinho-do-porto-vai-para.html, disponível em 11 de Janeiro de 2010.
http://terradepaixao.blogspot.com/2008/02/alga-de-s-martinho-do-porto-vai-para.html, disponível em 11 de Janeiro de 2010.
http://www.jornaldascaldas.com/index.php/2008/02/page/4/, disponível em 11 de Janeiro de 2010.
http://www.cmia-viladoconde.net/docs/Ateliers/Oficina_algario%5B1%5D.pdf, disponível em 11 de Janeiro de 2010.

Agradecimentos

  • Instituto Educativo do Juncal
  • Camara Municipal de Alcobaça
  • Junta de Freguesia de São Martinho do Porto
  • Professora Ana Sílvia Malhado
  • Funcionário Carlos Raimundo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Comments
2 Responses to “Baía de S. Martinho do Porto – da Geo à Biodiversidade”
  1. O nome correcto da espécie que mostram na imagem é Gelidium corneum, alga agarófita colhida para extrair o ficoclóide Agar.
    Poderiam ter usado no vosso trabalho (muito interessante) o “Guia Ilustrado das Macrolgas”, de minha autoria. Ver http://www.uc.pt/imprensa_uc/catalogo/naturanaturata

    • Boa tarde,

      Agradeço desde já o contributo que deu ao nosso blogue.
      O Instituto Educativo do Juncal é uma escola do centro do país. Este é um blogue que apresenta pequenos artigos de pesquisa de Biologia e Geologia Geologia, realizados por alunos do 10º ao 12º ano de escolaridade, sobre a região onde se insere a nossa escola. Pretende-se realizar artigos com pequenas “investigações” sobre a região, orientados por professores da escola (a 1ª pessoa do artigo). Por vezes, e devido às nossas limitações técnicas apenas se produzem revisões bibliográficas, outras vezes, conseguimos elaborar artigos com novos dados sobre a região.
      O coordenador do blogue e do projecto,
      Jorge Miguel Guilherme

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: